quinta-feira, março 05, 2009

A vida em tecnicolor


Life in Technicolor II é título de canção da banda Coldplay. Segundo a Wikipédia, Technicolor foi “uma marca norte-americana pertencente à Technicolor Motion Picture Corporation em que o processo consistia na coloração dos filmes. Foi utilizado até a década de 60. A Technicolor era a segunda maior empresa de coloração cinematrográfica após a britânica Kinemacolor e a mais utilizada pelos estúdios de Hollywood de 1922 a 1952.”
No passado, filmes nesse sistema marcaram a modernização do cinema, com suas cores vivas. Recentemente, filmes clássicos em preto e branco passaram por um processo semelhante de colorização computadorizada.
Erico Veríssimo, em sua autobiografia Solo de Clarineta (1973), escreveu que sua educação fora cinematográfica, confessando que sua memória incorporara imagens dos filmes que assistira na juventude. Não raras vezes, comparava pessoas com personagens de livros e filmes e vice-versa. Erico, que fora acusado por alguns críticos de ser um autor com estilo cinematográfico, quando isso era depreciativo, confessou que anos depois tal estilo tornou-se valorativo para outros.
Minha educação foi televisiva e a de meu filho é “internética”. Como especialista em tecnologia educacional, paradoxalmente, não me agrada certas modernidades, quando envernizam algo velho com segundas intenções, como fazem magistralmente certos políticos, alguns totalmente TechniCollor. Tipo “efeito Madonna”, de mudar cabelos, trajes e estilo para parecer atual. Prefiro a naturalidade das coisas e das pessoas. Um filme como Tempos Modernos, de Charles Chaplin, filmado quando o cinema já era falado - mas que em grande parte dele o criador de Carlitos preferiu continuar mudo - pela grandeza e força de imagens e crítica social, mesmo em P & B, é sem igual. “No preto e branco”, dizia minha avó, é que se percebe as “nuances e tonalidades” do mundo.
O próprio Chaplin, noutro filme em P & B, O Grande Ditador (EUA, 1940), traz fragmento de O Ùltimo Discurso, terrivelmente atual: “(...) Criamos a época da velocidade, mas nos sentimos enclausurados dentro dela. A máquina, que produz abundância, tem-nos deixado em penúria. Nossos conhecimentos fizeram-nos céticos; nossa inteligência, empedernidos e cruéis. Pensamos em demasia e sentimos muito pouco. Mais do que máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes, a vida será de violência, e tudo será perdido.”
A vida em tecnicolor, transposta para a atualidade, mostra que a mídia às vezes carrega nas cores: desenhos (des)animados, seriados, telenovelas, telejornais, propaganda comercial e política. Todos querem “dourar a pílula” - outra expressão antiquada e moderna ao mesmo tempo, dependendo do ponto de vista. Afinal, temos celebridades que são célebres justamente e tão-somente por serem famosas. Nada produzem além de escândalos, fofocas e coisas do gênero. Produção de baixo-relevo com divulgação de alto-relevo.
Essa vida em tecnicolor parece com a “carnavalização”, não no sentido teórico-literário, mas no mercadológico, de dar publicidade extremada ao acessório ao invés do principal. E o futebol é o ambiente natural para isso, quando se trata da vida “colorizada” de jogadores tidos como fenomenais. Kaká dá espetáculo dentro de campo, ganha títulos, mas fora dele tem vida reservada, familiar, religiosa, que nenhum paparazzi consegue flagrar. Os outros dão mais “show” fora de campo, com seus dribles à direção de seus clubes, na boemia, em supostos escândalos, etc.
Nessa vida em tecnicolor, entre o real e o artificial, Kaká lembra-me Chaplin; os demais, parecidos estão com os diretores que abusam dos efeitos especiais para compensar a pouca inspiração.

Observação: Imagem acima, extraída da internet, do endereço abaixo
http://www.tlinn.com/images/travel/north_america/ca/
san_francisco/2007-07/SF2007-07.htm

1 Comments:

Anonymous Danilo Stk Batista said...

Kra.... genial... belas palavras. tava procurando algo sobre a música mesmo, sobre o título, e vih q vc leu muito bem... abrç.(danilostk@hotmail.com)

18:38  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home