sexta-feira, maio 30, 2008

Avaliar por quê?


Estranhei o teor do artigo “Avaliar o quê? A professora, ora!” do professor e empresário Lírio Zanchet, publicado na ZH, de 25/5 - crítica áspera ao texto “Avaliar para quê?”, da profª. Sonia Veríssimo. Professar é exercer uma profissão e alguns confundem vocação de professor (magistério) com o sacerdócio (ministério); em que pese a última ser melhor remunerada.
Como educador, discordo de Lírio, que compara a escrita de Sônia ao “linguajar granítico de Rui Barbosa” e a “verborréia de Os Sertões, de Euclides da Cunha”. O primeiro foi jurista e exemplo de ética na política; o segundo, jornalista e literato, autor de obra monumental, unindo História e Literatura. Para se avaliar ou criticar, requer primeiro o exercício da autocrítica.
A educação do RS é destacada, em relação à maioria dos estados brasileiros - índice que perdura há décadas, não sendo fruto de governos e sim do próprio magistério gaúcho. Tal histórico, ao invés de críticas, necessita de reconhecimento do papel de profissionais que, sem condições ideais de trabalho nem o merecido salário, exercem suas funções dentro de limites e possibilidades.
Óbvio que o ideal do educador não é o mesmo do empresário, que se diz professor. No mundo competitivo e individualista, a concepção libertária provoca duras críticas daqueles que vêem a escola como extensão da empresa, formando mão-de-obra barata. Num sistema mecanicista, a informática e a tecnologia ainda não repuseram as vagas que eliminaram; por isso, contra-senso é criticar empregados de lojas que usam a calculadora, supostamente por desconhecimento da tabuada. No mundo venal, qual patrão aceita apenas cálculo mental?
A educação é o espelho da sociedade e não o contrário. Avalie-se, então, não apenas professores, mas gestores públicos e escolares, e também pais omissos. Afinal, o professor é o segundo educador que a criança tem. Educação bancária não resolve a crise ética da sociedade. Escola pública não deve se confundir com empresa. Já existe o ensino profissionalizante.
Se todo professor cumprisse apenas com o que rege o estatuto da profissão, nenhuma escola pública funcionaria a contento, pois, além de educadores, todos são meio psicólogos, assistentes sociais, enfermeiros, pais adotivos, de 30 ou mais alunos por turma, enquanto a própria família se diz impotente diante dos próprios filhos.
O magistério, como qualquer profissão, possui bons e maus servidores. Entretanto, dados indicam que os bons são maioria, sem a devida valorização, tanto de pais, gestores ou de professores com a visão empresarial, acima da professoral. A escola é o local da incorporação de saberes e do preparo para a vida, e não da mera execução de ofícios. A verdadeira ignorância, às vezes, não é desconhecer a tabuada, mas não calcular a medida das próprias palavras.

Observação 1: Imagem acima, extraída da internet, do endereço
http://www2.eb23-avintes.rcts.pt/avintes/cr/imagens/avaliacao7.jpg
Observação 2: O texto acima, de minha autoria, em versão adaptada (2.400 caracteres) para publicação em jornal impresso, foi publicado em sua versão original (4.800 caracteres), em 29/05/2008, no portal do CPERS - Sindicato , podendo ser lido pelo link abaixo:

Avaliar por quê?

Marcadores: , , ,

1 Comments:

Blogger Lin Huang said...

air max uk
celine outlet
coach factory outlet online
fendi
michael kors outlet
hollister
coach factory outlet online
air jordan 11
christian louboutin outlet
abercrombie & fitch
louis vuitton handbags
prada shoes
abercrombie
louis vuitton
marc jacobs handbags
michael kors outlet
oakley sunglasses
mont blanc
hollister
jordan 3s
mont blanc
louis vuitton handbags
jordan 11 concord
polo ralph lauren
oakley sunglasses
tod's shoes
timberlands
burberry outlet
louis vuitton handbags
jordan shoes
michael kors outlet
ralph lauren polo shirts
michael kors outlet
michael kors watches
coach
ray ban sunglasses
jordan 11 low
copy watches
michael kors outlet
fitflop footwear
caihuanglin20150612

02:06  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home