domingo, maio 17, 2009

O Livro dos Dias e a Consciência do Incabamento


Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=zi_ZE7tn5Wo

Neste dia (17/5) em que se comemora o Dia da Internet, da Sociedade da Informação e coincidentemente o aniversário da cantora Enya, encontrei por acaso, o clip acima, Book of Days (Livro dos Dias).
Na verdade, estava procurando o vídeoclip Now Were Are Free, da trilha sonora do filme Gladiador, de Ridley Scott, em que a cantora Enya interpretara a referida canção. Ao ver o título Book of Days, lembrei-me de poema e texto de minha autoria, de igual nome, feitos para o projeto RPG - Literário (links abaixo), cuja primeira história colaborativa, ainda em curso, chama-se Reino de Estranhos, e dentro do ambiente virtual e literário criado por mim e 5 amigos virtuais das letras, trabalhamos com a estratégia do jogo RPG, adaptado para o mundo literário.

RPG - Role Poetic Games (Jogos Poéticos Virtuais)

Projeto este que já tem escolas se inspirando e adaptando à realidade local...
Atualmente, a internet tem sido o "Livro dos Dias" de muita gente, mundo afora, que passam mais conectados ao computador do que ao mundo real...
Tranformar a Sociedade da Informação na Sociedade do Conhecimento é o grande desafio deste século para professores e alunos...
Trabalhar colaborativamente é um dos caminhos, estabelecendo uma rede social dentro e fora da escola, dentro e fora da própria rede mundial de computadores...
De vez em quando, cada educador é meio que um gladiador, enfrentando seus leões e adversidades, mas como no filme citado, alguém assume a liderança de um grupo e reúne em torno de si pessoas que comungam com as mesmas ideias e ideais, e aí a educação libertária é possível, frente à educação burocrática, autocrática, estática, que não levam a lugar algum...
A espada do educador é a palavra, através da qual estabelece a sua prática. O seu escudo é a teoria que usa, o planejamento que faz, as parcerias que estabelece com a equipe diretiva, os colegas, o aluno e a comunidade escolar como um todo.

Como disse Paulo Freire em sua Pedagogia da Autonomia:

"Não há docência sem discência.
Ensinar exige pesquisa, respeito aos saberes dos educandos; criticidade, estética e ética.
Ensinar exige reflexão crítica sobre a prática; risco, aceitação do novo e rejeição a qualquer forma de discriminação.
Ensinar não é transferir conhecimento.
Exige consciência do inacabamento, bom senso, alegria e esperança.
Ensinar exige apreensão da realidade, curiosidade e a convicção de que a mudança é possível.
Ensinar é uma específicidade humana.
Exige segurança, competência profissional e generosidade.
Exige comprometimento, liberdade e autenticidade.
Ensinar exige reconhecer que a educação é ideológica.
Exige querer bem os educandos.
E compreender que a educação é uma forma de intervenção no mundo".


Se a vida é uma experiência dialógica entre nós e o mundo em que vivemos, a educação e o ato de educar devem ter uma intertextualidade e um diálogo constante com a vida ao nosso redor. Para intervirmos eficientemente como educadores no mundo dos educandos precisamos conhecer sua vida, seu cotidiano. Não é preciso sair em pesquisa de campo, visitando e entrevistando a família para isso. Se pudesse, seria ótimo. Mas nem sempre o ideal é o possível. Mas pode-se estabelecer a comunicação dentro da própria sala de aula, na escola, não apenas no local, dia e hora marcados para isso.
Alguns professores não se dão conta dessa máxima de Freire que não existe docência sem discência (de que não existe escola sem aluno), levando em conta que não é apenas o aluno que deve vir de encontro ao que o educador fala, mas o processo deve ser dialógico e não monológico, de um falar para os outros ouvirem. Estabelecer a rede de informação que gera conhecimento é levar em conta o que o aluno já traz de casa em sua babagem emocional e modulá-lo aos conteúdos propostos pela disciplina.
A consciência do inacabamento do ato de educar deve ser vista como uma analogia com a própria literatura em que um autor repassa ao leitor através de uma obra em aberto, que apesar de ter um final não se encerra em si mesma, necessita desse diálogo com quem lê. Um diálogo feito no tempo e no espaço... O professor do século XXI deverá ter essa consciência do incabamento de seu fazer pedagógico, em que ele também é autor e leitor, e que o alunado poderá também, com a utilização da própria informação que existe por aí, gerar conhecimento mútuo, usando ou não a tecnologia educacional.
Todos somos leitores de mundo! Mas alguns são leitores ingênuos que leem apenas a história horizontal, enquanto que outros são leitores críticos que percebem que sob a linha do horizonte existe uma linha vertical, onde se pode contar e descobrir uma outra história...
E esse processo só pode ser bem explorado se houver uma pedagogia da autonomia entre docentes e discentes, em que o diálogo gera comunicação e está de informação gera conhecimento mútuo para a vida em sociedade.
Um outro mundo é possível, a partir da transformação da realidade local...
Quanto mais autônomos forem os seres ensinantes e ensinados, mais eles aprendem a pensar de forma crítica por si mesmos...
Os alunos autômatos, robotizados, que não incomodam, que tudo concordam, que não contestam, que não expressam suas opiniões, sentimentos, dúvidas e certezas não terão autonomia sequer para gerenciar a própria vida, pois lhes faltará a iniciativa.
O aluno-problema para a escola tradicional, aquele inquieto, pode ser numa escola mais abrangente, que disponibiliza outras formas de expressar seus talentos e aptidões, um aluno-modelo. Tudo depende da autonomia que a escola, o educador e o aluno tem em relação ao próprio mundo ao redor.
Alunos autônomos serão cidadãos empreendedores; alunos autômatos, serão pessoas limitadas e sem iniciativa.
Quanto mais leio e releio os escritos de Paulo Freire, mais tenho consciência da modernidade de suas ideias, construtivas e libertárias.
Dentro da tecnologia educacional, o pensamento e o método Paulo Freire, entre outros, proporcionam-me uma maior autonomia diante de professores e alunos.
Pois como o próprio Freire indicou: "Ensinar exige reflexão crítica sobre a prática; risco, aceitação do novo e rejeição a qualquer forma de discriminação".
A consciência do inacabamento pressupõe justamente isso: a educação é um processo de formação, de construção mútua e não de acabamento...

Abaixo meus dois textos para o projeto RPG - Literário, integrantes do blog RPG - Role Poetic Games (Jogos Poéticos Virtuais)

O Livro dos Dias - poema

O Livro dos Dias - conto

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home