sábado, maio 16, 2009

Indicação: A Educação na Sociedade da Informação


Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=A0T9xOAcDMw

O vídeo acima (poema de Paulo Freire) é ilustrativo do meu comentário e do texto que indico logo a seguir, da colega Flávia Sampaio - pedagoga, orientadora pedagógica e professora -, de Barra Mansa - RJ, editora do blog Educação Sem Fronteiras, que vem plenamente de encontro ao que penso e vivencio no cotidiano escolar, tanto com alunos como com professores. Se a vida é um processo dialógico entre nós e o mundo que nos cerca, a educação é (ou deveria ser!) o local privilegiado onde esse diálogo deveria ser melhor concretizado. Entretanto, penso que grande parte desse choque de gerações, evidenciado pelo uso das TICs, está justamente em que professores e alunos falam línguas diferentes e vivem em mundos opostos. A grande maioria dos educadores continua atrelada a um mundo em 2 dimensões (o professor a frente da turma e os alunos enfileirados ouvindo apenas); porém, seus alunos vivem em um mundo em 3D (são multifocais e multifuncionais, fazendo várias atividades ao mesmo tempo, o que pode parecer desatenção).
Há que se proporcionar o diálogo entre os dois pólos, e cabe ao mais "maduro" nessa relação quebrar esse gelo e propor uma conversa aberta... Nada de proibir por proibir, proibir orkut, msn, celular sem dar-se conta das potencialidades que o uso desses recursos podem trazer à comunicação dentro de uma escola. E não somente dentro dela mas fora, criando vínculos com outras escolas, a distância. O uso de blogs, fotologs, de câmeras digitais e celulares com câmeras podem gerar uma espécie de "reality show" (em que a informação que gera conhecimento seja a personagem principal) para outros educadores que pesquisem no ciberespaço experiências exitosas possam também adaptar tais situações à sua realidade local.
O maior problema é fazer essa transição entre os dois mundos... Os alunos são suscetíveis às mudanças; a maioria dos professores, nem sempre. Há os que já se integraram aos poucos e contam com o apoio de outros colegas; há os que estão iniciando e, por fim, aqueles totalmente refratários a qualquer mudança, seja com o uso das Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs) ou não.
Como falei recentemente às professoras da Escola Estadual Marques de Souza (São José do Norte - S - Brasil), onde cursei o ensino fundamental: "De nada adianta introduzir as TICs se a metodologia não acompanhar as transformações do mundo". E citei justamente a frase de Barack Obama, que pra mim é a essência desse momento que vivemos: "O mundo mudou e nós precisamos mudar".
Indico, então, o texto abaixo (publicado em sua íntegra), pois mais uma vez me vi contemplado pelas preciosas observações que Flávia Sampaio coloca em seu blog Educação Sem Fronteiras, que sugiro aos educadores e visitantes do Letra Viva do Roig uma visita, pois é um de meus blogs educacionais preferidos, por conta de seus temas relevantes para o educador e a educação.

A EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

Por Flávia Sampaio

“No meu tempo não era assim.”
“Esta juventude está perdida.”
“Todos sentados e em silêncio.”
“Já não sei o que fazer para chamar a atenção deles.”
Estas são falas de professores ao longo do tempo ao se depararem com suas respectivas salas de aula e encontrarem seus alunos de uma maneira que não era esperada: falantes, agitados, andando, movimentando...
O alunado mudou, lógico, pois o mundo mudou.
A sociedade de informação ampliou sua abrangência tão rapidamente quanto a velocidade da veiculação das notícias. Atualmente, um acontecimento no Japão, Rússia, Turquia e até na Lua chega até nós em milésimos de segundos!
Estamos num novo tempo, o tempo do Orkut, do MSN, dos Blogs, dos e-mails, da banda larga...
Com toda certeza, a docência de tempos atrás não é a mesma de hoje, o acesso à informática e aos meios de comunicação de massa não acontecia com tanta facilidade.
A todo momento, os alunos são seduzidos com os apelos da mídia: modo de vestir, andar, falar, costumes, gírias, comportamentos e tiques; e o papel da educação não é ( e nem tem como ) impedir o acesso a tudo isto, mas fornecer ao aluno subsídios para que ele possa filtrar o que é realmente relevante para seu crescimento. E, neste quesito, a escola perde, pois esta cobra memorização e “decoreba” e, procura formar um sujeito “reprodutivo” totalmente descontextualizado da realidade.
A escola se apresenta atada à metodologias que não promovem a motivação, ao querer saber mais, ao gosto pela descoberta; esquecendo-se de ajudar na formação de sujeitos críticos, atuantes e autônomos que selecionam o que querem assistir e falar.
A escola preza os conteúdos culturalmente pré-determinados, e não recebe nem valoriza o conhecimento de mundo que o aluno traz, para, a partir dele, ajudar este aluno em seu processo de aprendizagem, interagindo e mediando a construção de seu conhecimento.
Entretanto, para que a escola tenha êxito nesta nova época, os alunos devem ser estimulados a “aprender a aprender”, a analisar o que é recebido e avaliar sua relevância. Neste enfoque, o papel do professor é de estimular a busca da informação, tratá-la e orientar sobre onde e como utilizá-la. E, quando há na relação um vínculo afetivo estabelecido entre os atores participantes, professor e aluno, este recebe sentimentos de segurança, confiança e coragem e se arrisca a socializar suas descobertas e dúvidas com o professor e os demais membros do grupo, para juntos, decidirem o que é relevante em sua formação.


Fonte:
Educação Sem Fronteiras
http://flaviasampaiosilva.blogspot.com

Observação 1:
Apresentação de slides acima, em formato de vídeo (produção de Leila Amaral e Rodrigo Barbosa), foi descoberta por mim no You Tube ao anexar um vídeo ao meu outro blog chamado Educa Tube. A Escola, poema atribuído a Paulo Freire traz uma mensagem de reflexão sobre o papel social de cada segmento escolar: direção, professores, pais, alunos, funcionários... Para refletir se a nossa Escola é a como a Escola proposta por Paulo Freire. Em tempos de introdução das TICs no ambiente escolar, nunca os ensinamentos do mestre Freire e sua metodologia construtivista estiveram ao meu ver tão bem adaptadas ao momento atual. Paulo Freire continua moderno, libertário e atual.
Aproveitei o vídeo para fazer um link para o texto de Flávia, e creio que estabeleci uma intertextualidade e comunicação.

Observação 2: Sugiro também a leitura para professores e alunos do texto O mito do aluno digital, com curiosos dados sobre pesquisa, reproduzidos no blog Caldeirão de Ideias, que tem como editor o colega Robson Freire, de Itaperuna - RJ - Brasil.

3 Comments:

Blogger Flávia Sampaio - Educadora said...

Amigo Zé...
Sou eu que me sinto contemplada e privilegiada em poder desfrutar de textos e vídeos tão atuais e necessários para quem faz da educação sua PROFISSÃO.
Obrigada pelo carinho e amizade.
Um abraço.
Flávia

18:14  
Blogger José Antonio Klaes Roig said...

Cara amiga Flávia, a internet é um grande espaço de covenrgência tecnólógica e educacional. Poder conhecer colegas como você e outros que tornam-se amifos e compartilham suas vivências no meio escolar é o grande diferencial. Poder indicar teu trabalho, que é ótimo, só valoriza mais meu espaço virtual, que é este blog. Um abração, Zé.

19:41  
Blogger Lin Huang said...

cheap lululemon
ray ban outlet
michael kors outlet
coach outlet
cheap toms
ray ban outlet
coach factory outlet
burberry outlet online
michael kors outlet online
coach factory outlet
true religion outlet
pandora charms
gucci outlet
hollister co
michael kors outlet
ray bans
jordan 13
abercrombie
ray ban uk
coach factory
toms outlet
abercrombie
kate spade outlet
christian louboutin sale
coach outlet store online
ray ban sunglass
dior handbags
michael kors outlet
coach outlet
ray ban sunglasses
coach outlet
coach outlet
oakley sunglasses cheap
burberry outlet
ghd hair straighteners
tod's shoes
michael kors outlet
oakley sunglasses
louis vuitton outlet
abercrombie
caihuanglin20150612

01:00  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home