quinta-feira, julho 10, 2008

A guerra aos bonés e o poder da educação


Havia num reino desencantado, reis e rainhas que baniram uma espécie de chapéu com uma única aba, fixa a frente do olhar, usada pelos jovens do local, e que considerada desrespeitosa à realeza, fora banida para sempre daquele reino não tão-tão distante assim, ainda que não tivessem os nobres uma explicação lógica para tal fato. Os jovens se rebelaram e do confronto, muitos foram expulsos do castelo, ficando do outro lado do fosso e da ponta elevadiça, sujeitos às criaturas da floresta, sempre ávidas em capturar alguém do palácio, para seus rituais alucinógenos...

Não. O texto acima, de minha autoria, não é um mini conto para ser inserido em um de meus outros blogs, o RPG - Role Poetic Games (blog de jogos poéticos literários), em parceria com graduandos e pós-graduandos de Letras, aqui de Rio Grande - RS - Brasil, que narra a saga de personagens reunidos em torno do misterioso e mítico Castelo de Messiter.
O texto acima, uma tentativa de apólogo, foi influenciado pela postagem O "apólogo dos dois escudos": educação e tecnologia? (postado em 09/7/2008), e é fruto também do comentário do amigo e colega Robson Freire, editor do criativo blog Caldeirão de Idéias , que também como eu, trabalha como multiplicador de informática educativa em Núcleo de Tecnologia Educacional (NTE) - ele em Itaperuna-RJ e eu em Rio Grande-RS.
Robson, a respeito da referida postagem, comentou fato ocorrido na escola onde seu NTE está instalado, fato similar ao acontecido coincidentemente (ou não...) na escola onde meu NTE também está implantado. O que ele chama de "Morte aos Bonés!", batizei de "Guerra aos Bonés!" E é um fenômeno da transição entre o ensino tradicional e a revolução tecnológica que ameaça o "poder constituído" de certos professores, ainda vinculados por demais a figura do Magister Dixt (o mestre disse!). E se ele diz é lei. Hoje, o jovem, com acesso a informação e aos multimeios, dominando estes melhor que o professor, gerou um conflito de identidade no magistério. Há dois cavaleiros distintos: professores e educadores. Os primeiros, ainda estão atrelados a uma prática de um estudo dirigido em que ele próprio é o condutor e controlador de tudo, e se tem algum assunto que não domina (como por exemplo a informática e a tecnologia em geral), esse é banido ou rechaçado de forma aberta ou subliminar. Alguns dizem que estão velhos demais para aprender a usar tais ferramentas e que isso não tem serventia para sua prática escolar. Para esse lembro exemplo de espanhola de 92 anos de idade que recentemente teve seu blog eleito como o melhor do mundo. Idade nada tem a ver como vontade de aprender algo novo.
Então, esses profissionais conservadores reclamam que os filhos dominam às tecnologias, e não têm paciência para ensiná-los. É, santo de casa não faz milagres mesmo...
Do outro lado, há o educador, que aprendeu que educar é uma via de duas mãos, em que podemos ensinar e aprender com nossos alunos, a partir da realidade local em que cada um desses jovens está inserido (Aprendemos muitas vezes por que o aluno é problema ao conhecer seus pais). O professor, independente do estágio tecnológico da sociedade, será uma figura essencial para a transformação da informação em conhecimento. Nenhuma máquina fará esse trabalho, pois ainda que a inteligência artificial prospere da ficção cinetífica para o cotidiano, nunca um ser cibernético terá as mesmas emoções e compreensão do mundo contraditório dos humanos. Máquinas trabalham com princípios lógicos, algoritmos e outras equações matemáticas... Como criar uma fórmula para uma máquina entender que o motivo que faz alunos serem problemas na escola não é causado pelo ambiente escolar, e muitas vezes é gerado no próprio seio familiar? Vivemos um tempo de caça às bruxas, e da penalização de culpados. De repente um prosaico boné pode ser acusado, sem direito à defesa (até pelo fato que bonés não podem se defender. Risos), e ser banido de uma escola, pelo simples fato de que alguns professores acham que ele é um desrespeito a sua autoridade. Autoridade se conquista, salvo em tempos de exceção, que vem por decreto. Pela lógica, desrespeito é dizer uma coisa e fazer outra, como por exemplo proibir o cigarro, mas fumar diante dos jovens. Paradoxalmente, a lógica do jovem é muito mais tradicional que a "flexível" lógica dos alunos. Eis uma das contradições e motivo de choque de gerações entre jovens e adultos.
Se ao jovem, às vezes, falta maturidade e vivência para discernir o certo do errado, sendo mais suscetível a discursos panfletários, pirotécnicos, populistas e demagógicos; sobra-lhe a visão lógica, que o faz quebrar recordes em jogos eletrônicos sofisticados, que envolvem raciocínio, velocidade, visão espacial, etc. Por que será que às vezes em sala de aula falta a juventude esse mesmo raciocínio, quando a prática é tradicional? Autoridade e proibições não resolvem problemas de uso da rede lógica de computadores e da lógica da rede de ensino, quando centrada apenas na autoridade pela autoridade, sem a devida argumentação do motivo que um boné, por exemplo, pode ser algo desrespeitoso ao professor...
Quem, como eu, já foi síndico e trabalha na educação percebe nitidamente que as causas da omissão dos pais, de não impor limites nem obrigações aos filhos, vai depois repercutir na escola e na própria sociedade. Já presenciei, tanto em escolas como em condomínios, discussões de pais omissos contra às administrações escolar e condominal, tentando justificar o injustificável (sua ausência e desinteresse); pais que acabam sendo permissivos por conta de sua ausência no período educacional e identitário do aluno, que precede ao ingresso na escola, depois veste capa e espada contra quem acham que está prejudicando seu filho rebelde. Daí por diante, é o mundo que educará o filho que será um aluno comprometido com uma visão particular e não universal. Muitos, sejam jovens ou adultos, só falam em direitos, estatutos, etc, mas esquecem que esses decorrem de deveres... Deveres de estudar e de trabalhar dão direito às férias estudantis e profissionais. Inverter isso é ilógico.
O boné, para atual geração é uma questão de identidade e não reconhecer isso é se encastelar por demais numa torre de marfim, achando que proibir basta para fechar a questão com uma geração que é contestadora, e muitas vezes rebelde sem saber a causa.
A tecnologia também é algo que precisa ser integrada ao cotidiano escolar, sem que seja encarada como um bicho-de-sete-cabeças por parte do professor e gestor escolar. Coisa que seguidamente fico contrariado é quando alguns professores trazem maravilhosas apresentações de slides para apresnetar aos seus pares, ou a pais e alunos, mas não sabem mexer nos bichinhos de sete-cabecinhas, chamados DVD e PC. Aí pergunto aos meus botões: quem afinal fez a tal produção? Muitos professores fazem o tema de casa, ou como muitos pais, alguém faz por eles e seus filhos, para impressionar o respeitável público... Muitos professores se queixam da falta do responsável pelo laboratório de informática educativa (LIE), na escola, que acaba fechado por que ninguém sabe usá-lo com os alunos. Pera aí. Deixa eu tirar o boné! Sou contra essa figura, que deve, quando muito, ater-se a questões técnicas e de manutenção. Quem deve usar o LIE com os alunos é o profesor da própria disciplina. Se não tem conhecimento, procure os NTEs para se capacitar, utilize o potencial que os alunos têm com as tecnologias, e proponha que alguns deles, os líderes da turma, sejam seus monitores, traga os alunos pro seu lado da ponte elevadiça ou atravesse-a... Não tenham medo de computador que não é nenhum dragão. Dragões não existem! E parem de querer etenamente um "Severino" - personagem do programa humorísitco Zorra Total, que faz tudo por todos! -, pois cabe ao professor se incluir ao processo de informática educativa em curso. Além de rever seus valores centrados num tempo que não existe mais.
O poder da educação é o de emancipar as pessoas, torná-las críticas e independentes. O poder na educação, de impor apenas limites e não propor soluções para problemas geradas dentro e fora da escola, é que deve ser debatido, refletido e adequado ao espaço de cada um. Todos temos nossos limites, mas alguns limites impostos são muitas vezes desnecessários, como essa polêmica do uso de bonés e outras proibições que carecem de argumentação lógica para sua implantação.
Um tiro meu boné apenas para as práticas solidárias e integradoras. Àquelas que excluem coisas sem maiores discussões, são práticas antiqüadas que com o tempo não se manterão. Aqui na escola, onde funciona o meu NTE, os professores se reuniram e decidiram que cada professor estipula em sua sala de aula o que pode e não pode ser feito. É um meio termo. Embora, com todo respeito aos professores e colegas de qualquer instituição de ensino pública, lembro que não existe MINHA sala, MINHA escola, MINHA turma, etc.; e sim, NOSSA COMUNIDADE.
Observação: Imagem acima, esxtraída da internet, do endereço
http://amazoniabrazil.com/english/index.php?main_page=index&cPath=26_27

2 Comments:

Blogger PROFª LUCIANA said...

Parabéns pelo blog e pela "tentativa de apólogo", como você mesmo disse!
Luciana

19:38  
Blogger Xiaozhengm 520 said...

2015-10-14 xiaozhengm
Prescription Oakley Sunglasses Wholesale
hollister uk sale
Coach Outlet USA Stores
ugg boots
hermes bags
air max 95
michael kors handbags
Authentic Montblanc Pens Sale Online
Louis Vuitton Bags On Sale Cheap
Louis Vuitton Neverfull GM Monogram
canada goose outlet
Michael Kors Online Store Outlet
fitflops
coach factory outlet
michael kors outlet
louis vuitton
Air Jordan Shoes For Women And Men
ugg boots
Red Bottom Shoes Christian Louboutin
nike free run 2,nike free runs,nikes,nike air max 95,nike high tops,air force 1,nike pegasus
cheap jerseys
Nike Lebron James Shoes For Sale
ugg boots sale
louis vuitton handbags
Hollister Shirts For Women
Designer Handbags Louis Vuitton
canada goose jackets
hollister
canada goose outlet
true religion jeans
michael kors handbags
michael kors handbags
Air Jordan 4 Green Glow

08:06  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home