domingo, outubro 21, 2007

O mundo enigmático de Clarice Lispector

Como esse blog, além de discutir educação e tecnologia, tem o nome de Letra Viva, e de vez em quando, após a especialização em Tecnologia Educacional que lhe deu causa (com defesa de TCC em novembro do corrente), diversificará os temas, abordando também aspectos literários, históricos, artísticos e culturais; alguns já abordados eventualmente, visto que são todas áreas em que atuo e que me complementam e completam como profissional e ser humano. Vez em quando também colocarei algumas resenhas ou fragmentos de textos que me são significantes, como este abaixo, extraído da primeira e segunda páginas do livro Perto do Coração Selvagem, de Clarice Lispector, uma das escritoras mais provocadoras e brilhantes que já conheci (infelizmente apenas no papel), que disse certa vez: "Em uma outra vida que tive, aos 15 anos, entrei numa livraria, que me pareceu o mundo que gostaria de morar. De repente, um dos livros que abri continha frases tão diferentes que fiquei lendo, presa, ali mesmo. Emocionada, eu pensava: mas esse livro sou eu! Só depois vim a saber que a autora era considerada um dos melhores escritores de sua época: Katherine Mansfield."
Felizes daqueles que se dão ao luxo de poder conhecer pessoalmente seus mestres, sejam professores em sentido estrito como educadores em sentido amplo. Minha educação teve como pilares meus professores, profissionais da educação, e muitos educadores, em sua maioria grandes escritores, como Érico Verissimo, Moacyr Scliar, Caio Fernando Abreu, Roberto Drummond, Mario Quintana, William Shakespeare, Miguel de Cervantes, Julio Verne e Clarice Lispector, entre outros. Muito do que sei devo aos meus educadores (escolares e literários) e aos livros indicados ou escritos, por uns e outros. Nessa antevéspera da abertura da Feira do Livro de São José do Norte - RS - Brasil, que tenho o privilégio de ser o patrono, darei mais enfoque a área literária, e espero que os visitantes deste diário virtual (já próximo dos 4.000 acessos) compreendam e compartilhem suas leituras comigo. Eis abaixo o fragmento citado, de Clarice Lispector, em Perto do Coração Selvagem:
O PAI...
"A máquina do papai batia tac-tac... tac-tac-tac... O relógio acordou em tin-dlen sem parar. O silêncio arrastou-se zzzzzz. O guarda-roupa dizia o quê? roupa-roupa-=roupa. Não não. Entre o relógio, a máquina e o silêncio havia uma orelha à escuta, grande, cor-de-rosa e morta. os três sons estavam ligados pela luz do dia e pelo ranger das folhinhas da árvore que se esfregavam uma nas outras radiantes.
Escostando a testa na vidraça brilhante e fria olhava para o quintal do vizinho, para o grande mundo das galinhas-que-não-sabiam-que-iam-morrer. E podia sentir como se estivesse bem próxima de seu nariz a terra quente, socada, tão cheirosa e seca, onde bem sabia, bem sabia uma ou outra minhoca se espreguiçava antes de ser comida pela galinha que as pessoas iam comer.
Houve um momento grande, parado, sem nada dentro. Dilatou os olhos, esperou. Nada veio. Branco. Mas de repente num estremecimento deram corda no dia e tudo recomeçou a funcionar, a máquina trotando, o cigarro do pai fumegando, o silêncio, as folhinhas, os frangos pelados, a claridade, as coisas revivendo cheias de pressa como uma chaleira a ferver. Só faltava o tin-dlen do relógio que enfeitava tanto. Fechou os olhos, fingiu escutá-lo e ao som da música inexistente e ritmada ergueu-se na ponta dos pés. Deu três passos de dança bem leves, alados.
Então subitamente olhou com desgosto para tudo como se tivesse comido demais daquela mistura. "Oi, oi, oi...", gemeu baixinho cansada e depois pensou: o que vai acontecer agora agora agora? E sempre no pingo de tempo que vinha nada acontecia se ela continuava a esperar o que ia acontecer, compreende? Afastou o pensamento difícil distraindo-se com um movimento do pé descalço no assoalho de madeira poeirento. Esfregou o pé espiando de través para o pai, aguardando seu olhar impaciente e nervoso. Nada veio porém. Nada. Difícil aspirar as pessoas com aspirador de pó." Clarice Lispector - Perto do Coração Selvagem.

Um bom início de semana a todos nós, sejamos relógios, máquinas, guarda-roupas, galinhas, minhocas, pais ou Clarices. Carpem diem, aproveitem o dia, a cada dia, não como se fosse o último, mas, parafrasenado o título de um filme, como se fosse "O primeiro ano do resto de nossas vidas".
Observação: Imagem acima extraída da internet, site www.lumiarte.com.

1 Comments:

Blogger Unknown said...

jordan shoes
coach factorty outlet online
louis vuitton handbags
christian louboutin
louis vuitton outlet
michael kors
michael kors
hollister kids
louboutin
timberland canada
cheap air max shoes
copy watches
air max uk
michael kors outlet
louis vuitton
timberland uk
prada bags
kate spade
burberry bags
pandora jewelry
chanel bags
coach factory outlet
ralph lauren uk
coach outlet
louis vuitton
concord 11s
jordan 11
ralph lauren bedding
michael kors uk
abercrombie kids
oakley outlet
longchamp outlet
burberry handbags
air max uk
cheap oakleys
mulberry uk
20150713xiong

04:45  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home