domingo, julho 22, 2007

Livro didático: a escola e suas escolhas


Discutindo sobre o papel do livro didático no forum do Curso de Mídias Integradas na Educação (UnB-2007), recebi um comentário da colega Sonia, com o seguinte teor, que ocasionou logo abaixo do mesmo, minha resposta:
Num dia desses, conversando com minha colega (doutora em informática educativa) ela disse que o primeiro critério na escolha da escola para seus filhos é o uso do livro didático. Ela argumentou que a escola que usa apostilas (referia-se a escolas particulares) não merecem, na opinião dela, credibilidade. Elas seriam o resumo do resumo (que é o livro didático). Confesso que essa declaração me fez pensar. O que você pensa sobre isso? Sonia.
Resposta: "Oi, Sonia. Realmente essa colocação de tua colega nos faz refletir sobre A ESCOLA E SUAS ESCOLHAS. O livro didático, pensado como uma apostila, um manual pro professor seguir a risca, realmente não é uma boa escolha da escola. O livro é um referencial, e deve ser pensado como tal, dando meios pra que o professor estabeleça as conexões necessárias com o aluno, a partir de sua concepção de mundo e de escola também. Por melhor que seja o livro, se o professor for extremamente conservador, de nada adiantará, e poderá tornar-se apenas folhas de papel. Ano passado assisti a uma palestra de João Monlevale, assessor parlamentar do Congresso Nacional para a educação, e ele dizia justamente isso: que o livro virou bengala pro professor. Mas pro mal professor, obviamente, da mesma forma que penso que um laboratório de informática pode tornar-se bengala praquele professor que quer largar os alunos no ciberespaço sem maiores divagações, nem projetos de aprendizagem onde possa relacionar seus conteúdos e competências. Eu, particularmente, penso que o livro didático é um dos recursos, entre vários, que o educador poderá usar, buscando conexões com o universo do aluno. O livro didático pode ser usado junto com revistas, jornais, literatura, mídias on-line. Mas, claro, depende do que pensamos como resumo. Penso que às vezes uma boa síntese para apresentação de uma atividade pode ser eficiente. O importante não é a quantidade mas a qualidade, seja do livro didático, seja da bagagem cultural do educador. Hoje, percebo que o jovem precisa ser motivado a todo instante, mas que em via de regra, não gosta de ler. Seja livro didático ou literatura. Então, ficamos naquele paradoxo: por mais que o livro seja bom, se não é lido, nunca será utilizado como deveria. Mas, se o resumo for bem feito, não quer dizer que seja um material a ser descartado. Claro, nem todo resumo traz em si clareza, síntese e concisão. Tua amiga pode ter razão, mas sempre é complicado se generalizar, pois, também como diz aquele ditado: nos pequenos frascos estão contidos os grandes perfumes. Acreditar nisso também é generalizar as coisas. Claro, toda regra tem a sua exceção. Creio que escolher a escola do filho por um único aspecto é delicado. Pode ter um ótimo livro didático, mas um corpo docente parado no tempo, embora, em escola privada isso não corra tanto como no ensino público. Nossas escolhas sobre a escola devem levar em conta a estrutura física, a qualidade do corpo docente, os projetos executados, enfim, o somatório de atividades".
Observação: Imagem acima extraída do site http://www.municipio-portodemos.com/?EEAVQCEM=1P0gLj...

1 Comments:

Blogger chenyingying9539 9539 said...

2015-7-13chenyingying9539
christian louboutin shoes
abercrombie store
ray ban sunglasses
adidas shoes
louis vuitton uk
jordan 8s
michael kors outlet
michael kors
louis vuitton
michael kors outlet
hollister clothing
louis vuitton
marc jacobs
kate spade outlet
lebron james shoes 2015
michael kors outlet
michael kors handbags
louis vuitton
nike air max
burberry outlet
coach factorty outlet
cheap oakley sunglasses
michael kors
michael kors outlet
hollister clothing store
prada shoes
lebron james shoes
burberry outlet
jordan 3s
chi flat iron

04:17  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home