terça-feira, janeiro 30, 2007

A vida imita a arte


Documentário na TV a cabo, sob o título Reportagens Investigativas (A&E Mundo), analisou o fenômeno dos crimes copiados do cinema.
A reportagem fazia um inventário de filmes que influenciaram direta ou indiretamente pessoas, psicóticas ou com problemas de relacionamento, a cometerem crimes quase idênticos aos espelhados na tela do cinema. Dizia a matéria que nos primórdios do cinema, quando surgiu o filme Assalto ao Trem, os roubos aumentaram; que os filmes de gângster incentivaram o crime organizado; que o faroeste estimulou o porte de armas de fogo. Que Taxi Driver, de Martin Scorsese, mostrava a figura do assassino solitário, e que, John Hinckley Jr., que tentou matar o ex-presidente Ronald Reagan, declarou ter sofrido influências da película. Que Assassinos por Natureza, de Oliver Stone, teve quase 10 crimes relacionados a ele; Até as Últimas Conseqüências, influenciou um assalto a banco; O Corvo, fez 2 jovens provocarem incêndio; Robocop instigou um crime; como também Retrato de Um Assassino, de John Mac Naughton. Sem falar em Matrix, e os tiroteios em escolas públicas americanas.
Quando houve atentando ao metrô nos EUA, no lançamento de Assalto sobre Trilhos, os policiais que investigaram o crime disseram ter a impressão de estar no set de filmagens, tal a similaridade do atentado com as cenas do filme. Julia Phillips, produtora do filme Taxi Driver, chegou até a dizer que talvez seja a sociedade má influência aos filmes. Pode até ser, já que vivemos num mundo violento e os noticiários são reflexos do que vemos nas ruas. Alguns dizem tratar-se de tática de advogado - culpar um filme - para defender seu cliente. Tanto que até filmes inocentes já foram acusados de influenciar crimes. Um assunto polêmico por si só.
Psicólogos recomendam a aproximação dos pais com os filhos, sejam delinqüentes ou não, e da importância de modelos positivos de comportamento, e das influências negativas sobre a juventude. Que o crescente número de horas de exposição às telas (micro, TV, cinema) e aos jogos violentos, proporciona um distanciamento das reais conseqüências dos crimes. Estudos americanos indicam que o jovem quando chega a idade adulta teve uma exposição média a 4 mil assassinatos e 2 mil situações violentas, desde a programação televisiva à realidade das ruas.
Segundo o agente do FBI, John Douglas, filmes influenciam desequilibrados abaixo da linha de inteligência; que a mídia não cria, mas pode estimular aqueles que já estão predispostos à violência e ao crime; que deveria haver um monitoramento do tempo que as pessoas passam em frente das telas, com acompanhamento familiar – já que muitas famílias desoneram-se da responsabilidade, tipo Apertem os cintos, o piloto sumiu! Uma família estruturada não mata após assistir ao filme Rambo. Douglas foi consultor do filme O Silêncio dos Inocentes, de Jonathan Demme, que tinha como personagem o assassino em série Hannibal Lecter. Um crime também chegou a ser associado ao filme.
Há que, desde cedo, a família intervir e mostrar a distinção entre fantasia e realidade. De acordo com a reportagem, o filme Scarface, quando estreou, provocou o comportamento espelhado, fazendo que muitos jovens procedessem como a personagem central, vivendo em excessos. Muitos jovens impedidos pela família de namorar já imitaram Romeu e Julieta. Em 04/6, uma telenovela mostrou mãe ensinando filha como agarrar marido rico: furar a camisinha! Ficção perigosa em tempos de Aids.
Noutra época ocorreu polêmica entre o então governador do RJ, Leonel Brizola, e rede de televisão do país, que supostamente acusara-o de ser tolerante com a violência e não reprimir o tráfico de drogas nos morros cariocas. O ex-líder da Legalidade - que propiciou João Goulart, assumir a presidência, em 1961, após renúncia de Jânio Quadros -, contra-atacou: relacionou todas as situações violentas, veiculadas pela empresa, durante um mês, desde desenhos animados, noticiário, novelas, etc., usando o feitiço contra o feiticeiro. De lá pra cá, a violência real e a virtual aumentaram assustadoramente, a ponto de não sabermos se a vida que imita a arte ou é justo o contrário. A resposta: parece bala perdida.

José Antonio Klaes Roig
Obs. 1: Texto publicado no Jornal do Norte, de São José do Norte-RS, em 14/07/2005, que por tratar da mídia e, em especial, a televisão, resolvi postar no meu blog.
Obs. 2: Colagem de minha autoria, realizada a cerca de uns 7 anos atrás, como forma de terapia ocupacional.


1 Comments:

Blogger Lin Huang said...

oakley sunglasses wholesale
cheap jordans
louis vuitton outlet
michael kors outlet online
insanity workout dvd
true religion jeans
celine
concords 11
christian louboutin shoes
ray ban sunglasses
abercrombie
louis vuitton uk
michael kors
oakley vault
prada
louis vuitton
michael kors
jordan 6 cigar
true religion jeans
jordan 4s
gucci
cheap air max
michael kors outlet
michael kors
coach outlet online
lebron james basketball shoes
hollister clothing
chi flat irons
cheap jerseys
michael kors uk
fendi bags
michael kors outlet online
jordan 11s
michael kors
celine
hollister clothing
true religion
nike air max
oakley vault
chanel uk
caihuanglin20150612

02:00  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home