sexta-feira, novembro 10, 2006

Relações entre a televisão e os temas do Grupo Modernidade (Wiki)

TELEVISÃO E O COMPORTAMENTO ADOLESCENTE
É público e notório a influência, desde os anos 1950, quando surgiu, da televisão no comportamento da sociedade, primeiramente de forma subliminar, pelos merchadising distribuídos na programação, depois de forma mais explícita, já no início dos anos 1980, na programação destinada ao público infantil, em que desde sandálias plásticas, a cadernos, vestuário em geral, albuns de figurinhas, tudo passou a ser comercializado, levando os pais a destinarem grande parte de seu orçamento familiar aos produtos com a estampa dos personagens infantis. A partir daí, não bastava ser um caderno, roupa, sandália qualquer. Tinha que ter o desenho, a marca ou a estampa de uma apresentadora ou de uma personagem. Muitas vezes, as apresentadoras de programas infantis tornavam-se uma personagem, e não um ser real... Hoje, podemos perceber a influência da TV em toda a sociedade, mudando o horário dos jogos de futebol, pra depois da telenovela das 8, que inicia quase 21h, fazendo os torcedores irem aos estádios quase às 22h, para sair de lá depois da zero hora. Muda o comportamento de um grupo social em função de índices de audiência de uma emissora de televisão.O adolescente, muito influenciado antigamente pelos adultos (pais, vizinhos, conhecidos, professores), hoje recebe a influência da programação televisiva, que invade a sua vida, antes mesmo do que a família e a escola. Até os anos 1950, eram os pais e depois a escola, os resposnsáveis pela educação informal e formal, respectivamente. Hoje, é a televisão que educa ou não, as crianças antes mesmo de ingressarem na escola, já que a família torna-se ausente pela necessidade de trabalhar fora. O modelo de família até os anos 1950 era o pai provedor da casa e a mãe, dona do lar. Esse perfil, hoje, é a exceção e não a regra. Da análise empírica e intuitiva que fiz e tenho feito há mais tempo do que o início dessa especialização e da escolha dese tema, percebo o quanto a TV influência e dita moda e comportamento. Sobre a moda, analisarei a seguir.
TELEVISÃO E A MODA
Tanto em sentido amplo, como estrito, da moda e do modismo, a televisão é um grande gerador de manias entre jovens e adultos. Nunca fiz esse exercício, de ir a um cartório de registro civil e pesquisar, após cada telenovela de sucesso, quantos nomes de personagens virtuais, tornam-se nomes reais de crianças nascidas durante e depois da exibição de novelas campeãs de audiência. Exemplo: Dara, Sol, Jade... Nomes que fogem ao trivial e que tornam-se avalanche nas escolas, basta examinar, como faço, a lista de matriculados, a cada ano. O nome da moda é o nome da personagem principal de uma telenovela, via de regra. Se aparece a saia de cigana, logo quase noventa por cento de jovens e até mesmo mulheres adultas, passam a utilizá-la, quase como um uniforme de guerra. Se forma tamancos, tipo plataforma - não sei bem se é esse o nome - nove em cada dez mulehres terá o seu no armário. É o reflexo da programação televisiva na própria sociedade, induzindo ao consumismo, ao modismo e a reprodução do que vêem na tele tremeluzente. Modismos que são também , além do vesuário, do penteado, mas tambénm de gírias, expressões, frases feitas, chevões e jargões humorísticos, tipo: "Vem cá, eu te conheço?". Quem já não reproduziu essa frase, ainda que em tom de deboche com algum familiar, amigo, vizinho ou colega de trabalho? Atire a primeira pedra aquele que jamais copiou algo que viu na TV!!! Risos. Ou expressões que me dão calafrio, pela repetição continuada, entre nove em cada dez adolescente: "Tipo assim!" Tudo hoje começa com o "tipo assim..." (sic). Risos.
TELEVISÃO E OS RECURSOS TECNOLÓGICOS
A televisão, pela sua programação, pura e simples, pode ser utilizada em sala de aula pelo professor, como comentei num texto deste wiki. Mas a ela, podem se agregar outros recursos tecnológicos, como: videocassete, hoje superados pelo DVD. Podendo também ser utilizado o gravador de DVD pra copiar a priogramação e fazer uma biblioteca digital no acervo da escola. Uma placa repectora de TV (em média de 150 a 300 reais) pode ser instalada num PC, tornando-o um receptor de sinais de TV, e consequentemente copiando pra o seu HD vídeos em geral. Um aparelho de som pode ser instalado numa entrada de TV, para ampliar seu som. Um Data show também é um projetor que possibilita a ampliação da imagem para um público maior, num espaço mais amplo, dinamizando uma atividade educativa, "tipo assim" (sic), uma aula aberta e multisseriada e multidisciplinar sobre educação ambiental. Enfm, a tecnologia deve ser encarada como uma ferramentas, um apoio, um acessório ao trabalho do educador, e não a "quintessência do mundo moderno". Até pelo fato que a "Geração Data Show" usa e abusa dos recursos tecnológicos, banalizando-o ao ponto de tornálo um recurso trivial. Todo mundo quer um data show pera fazer apresentações qulimétricas de slides, lendo um a um, e provocação a fadica do apresentador e da platéia. Sem falar que se falta luz, o PC trava, e o educador sem a cópia impressa, ou sem saber utilizar o maior recursos didático-pedagógico que possui (a própria voz e a experiência de vida), poderá dar vexame... A tecnologia não pode ser a "segunda pele" do professor. Não pode ser jamais a "lanterna mágica" na escuridão. A tecnologia deve ser encarada como o giz e o apagador, pra geração passada. Sem estes, a aula flui da mesma forma, ainda que d'outro jeito...
CONCLUSÃO:
Meu wiki partiu de interligações entre meu tema - a televisão e a educação -, conectando-se a de minhas colegas: Grede Brasil (Moda); Gelsi Oliveira (Comportamento adolescente) e Aline Conceição (Recursos Tecnológicos). Nesse caminho, nosso projeto de aprendizagem, batizado de MODERNIDADE, buscou esses "links" uns com os outros. Interagimos na etapa presencial, mas também a distãncia, via email, forum, chat, MSN, orkut... Trocamos idéias e experiências de vida. Interagimos com outros colegas de outros grupos. Eu, particularmente, sem o apoio das colegas do meu grupo, de minha colega de trabalho aqui do NTE-Rio Grande, Janaína, e de outras colegas que se tornaram amigas nessa trajetória profissional e solidária, em minha auto-avaliação, não teria podido desenvolver algumas das atividades propostas... Creio que o objetivo do curso era esse mesmo: promover a interação e a integração de tecnologias e de educadores.

2 Comments:

Blogger GELSI said...

Olá Zé!
Interessantes teus textos interligando nossos assuntos.Temos que nos reunirmos para elaborarmos juntos uma conclusão para nosso projeto Modernidade.Abraços.Gelsi.

19:58  
Blogger Teresinha Bernardete Motter said...

O contador é um só. Conta lá e conta aqui,rsrs.
Fiz a prova agora.
Berna

20:13  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home