segunda-feira, abril 14, 2008

Educação e a "pré-história" do futebol


Em 26/03/2008, ocorreu em Londres um jogo amistoso entre as seleções nacionais de futebol do Brasil e da Suécia. A imprensa vinculou imediatamente ao cinquentenário do 1º. título mundial de futebol do Brasil, vencido justamente em 1958, sobre a Suécia, país organizador da Copa do Mundo daquele ano. A Confederação Brasileira de Futebol, atual CBF, mas que em 1958 chamava-se CBD, Confederação Brasileira de Desportos, tratou de desvincular o jogo de qualquer sentido de comemoração oficial da entidade com o cinquentenário, que segundo li em jornais, deverá ser comemorado durante o ano, no Brasil.
A partir daí duas coisas me chamaram a atenção: primeiro, essa forma da CBF não querer vincular esse jogo amistoso aos festejos, enquanto grande parte da imprensa européia e mundial fez tal vinculação. Em um segundo momento, o que me surpreendeu foi a declaração de diversos jogadores da atual seleção, e, em especial, o talentoso Luis Fabiano, que desconheciam a maioria dos fatos ligados a essa primeira conquista em Copas do Mundo, e que com certeza nos tornou, a partir dela, o País do Futebol. Luis Fabiano chegou a dizer aos repórteres que não sabia de quase nada pois não era nascido na época. Convenhamos, como educador, achei a desculpa mais esfarrapada possível. E fiquei bastante contrariado não apenas com o jovem e talento jogador, mas com a própria entidade que comanda o futebol nacional que não esclarece aos seus valorizados craques um pouco da história do futebol nacional e mundial. Se nada sabem da história da própria profissão que os torna independentes fincanceiramente em curto espaço, o que saberão de outras coisas do mundo? Evidentemente que não quero cobrar de Luis Fabiano, Robinho e outros jogadores (que também não sabem a letra do Hino Nacional, escrito também muito antes de seu nascimento e de todos os brasileiros vivos), conhecimento de física, matemática, ciência e tecnologia. Mas, creio que pelo nível que estão, jogando em grandes clubes do exterior, recebendo em euros, deveriam buscar informações sobre a "pré-história" do futebol. Digo pré-história em tom irônico mesmo, pois se tudo que foi feito antes de nossa existência não temos obrigação de saber, como alegou Luis Fabiano, então, eu que nasci em 1964, não deveria saber nada de História, Literatura, Tecnologia, Arte, Cultura e Educação feitas antes do meu nascimento. Se a moda pega, o mundo virará um caos. Os pilotos desconheceram a história da aeronáutica; os marinheiros da navegação; os militares da estratégia; os políticas da retórica e das ideologias, etc.
É incrível que jovens talentos nada saibam sobre carques do passado como Mané Garrincha, Pelé, Vavá, Zagallo, Nilton Santos, Djalma Santos e tantos outros que contribuíram para a valorização deste esporte em terras brasileiras, que nasceram na época errada, pois nada lucraram com o futebol, e graças ao talento do passado, foi possível a independência fincanceira dos craques do presente. Naquele tempo a TV não era o poderoso veículo de comunicação de massas, nem jogadors, por mais talentosos que fossem, recebiam direito de uso da imagem e contrato com empresas de material esportivo, tendo tratamento de superstars. Não culpo apenas os jovens jogadores pelo desconhecimento, mas também a entidade gestora do futebol nacional por não fazer um trabalho também de conscientização dos craques do presente e do futuro e a devida (em todos os sentidos) valorização dos craques do passado. A vida é muito maior que a duração da nossa própria vida. Educar é um ato contínuo, e vai muito além da escola. Educadores devem ser todos, principalmente pais e gestores, sejam públicos ou privados. Eu não nasci em 1958, mas sei bem que muito de nossa identidade nacional é devido a vitória daqueles 22 jogadores que se sagraram campeões mundiais em terra estrangeira. Se desconhecemos nossas origens, e as origens de nossa profissão não somos de fato bons profissionais e cidadãos.
Observação: Imagem acima, colagem de minha autoria (2008), a partir de recortes de revistas antigas (usando apenas tesoura e cola bastão, e digitalizando o resultado via scanner para um computador).

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home