quinta-feira, janeiro 08, 2009

Mundo estranho: o oprimido de ontem é o opressor de hoje!


Bombardear escolas, casas, mesquitas e até o prédio da ajuda humanitária da ONU.
Por favor!!! Quem é afinal o terrorista nisso tudo?
E não me venham com essas desculpas esfarrapadas de que erraram o alvo! Com a tecnologia que possuem, só erram de propósito, ou como dizia aquele personagem da TV: "Foi sem querer querendo!"
Como li em artigos em blogs e portais, o que acontece é uma séria de pretextos para no fim justificar o contexto eleitoral, geo-político entre opressores e oprimidos!
Nessa "pedagogia do oprimido", o que querem fomentar com esses ataques insanos?
Evidentemente desejam, ao que tudo indica, uma retaliação de algum país que eles consideram "pátria do terror", para justificar outras injustificáveis futuras intervenções.
Aqui, uma dura crítica não ao povo, mas aos beligerantes governos dos EUA e Israel: "Parecem-me com o menino gradalhão que se vangloria de bater apenas nos garotos pobres e pequenos do bairro, mas que não enfrenta de igual pra igual alguém de seu tamanho, ou quando isso faz, está cercado de sua gang"...
Sei que é uma metáfora forte, mas é a única que me vem em mente sana, em corpo insano de ver tanta coisa nesse mundo estranho em que vivemos, em que as palavras ditas não dão conta do que o olhar vê e não compreende...
É desproporcional o embate: de um lado, garotos insanos jogando rojões a esmo; do outro lado, o grandão igualmente insano, com um canhão cuspindo fogo pra todos os lados!
Quem perde nessa guerrra, como sempre, é o povo!
Não estou aqui tomando parte nesse confronto, mas como ser humano, fico profundamente preocupado com países superpoderosos e superprepotências, aliás, potências, que atiram primeiro e depois fazem perguntas... Que desrespeitam e desmoralizam as Nações Unidas, e somente respeitam suas Resoluções, quando é para pressionar seus desafetos.
Quem sabe, daqui uns anos Rambo V e seus efeitos especiais venha nos convencer que essa guerra era algo para se lembrar e não apenas se lamentar...
Vejam a notícia abaixo:

Agência da ONU suspende atuação em Gaza; mortos já são 750

Ainda comovido e indignado com notícias e imagens, busquei no baú da memória dois fragmentos de textos antigos, que coloquei em dois textos meus. O primeiro, abaixo, é o fragmento de notícia, publicada em 2000, que trata do parentesco genético de judeus e árabes (e que incluí no eu conto O Amor depois de Romeu e Julieta
, de 2000) e o outro, presente em artigo de opinião de minha autoria, publicado em jornais da região (2005), traz o discurso do personagem Schlomo, no filme Trem da Vida, que fala da questão humana. Ambos os textos (conto e artigo), (re)publicarei em meu blog ControlVerso:

GENÉTICA - Árabes e judeus são parentes

Um novo estudo genético acaba de comprovar o que a História já sugeria: judeus, palestinos, sírios e libaneses, há longo tempo envolvidos nos sangrentos conflitos do Oriente Médio, são todos irmãos do ponto de vista genético. Segundo uma pesquisa que envolveu uma equipe internacional de cientistas, esses povos partilham uma mesma linhagem comum, iniciada milhares de anos atrás, e que, desde então, sofreu poucas misturas com outros povos. Segundo Harry Ostrer, diretor do Programa de Genética Humana da Escola de Medicina da Universidade de Nova York (EUA) e um dos responsáveis pelo estudo, judeus e árabes são descendentes de Abrahão e preservaram suas raízes ao longo dos últimos 4 mil anos.
Os pesquisadores analisaram o cromossomo Y, transmitido do pai para o filho homem, de mais de 1.371 homens de 29 grupos populacionais de diversas regiões do mundo, incluindo judeus e não-judeus. Descobriram que árabes e judeus partilham um ancestral comum e são mais aparentados uns aos outros do que aos não-judeus de outras partes do mundo.


Fonte: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, quarta-feira, 10/05/2000, página 49.

Schlomo, o bobo in: Trem da Vida, filme de Radu Mihaileanu:

“Deus criou o homem à sua imagem./Isso é lindo! Schlomo à imagem de Deus./Mas quem escreveu isso no Torah?/Foi o homem, não Deus./O homem escreveu sem modéstia, comparando-se a Deus./Talvez Deus tenha criado o homem.O homem./O homem, filho de Deus, criou Deus, só para poder se inventar.../O homem escreveu a Bíblia... para não ser esquecido sem se importar com Deus/Não amamos e não oramos a Deus./Ou melhor, imploramos para que nos ajude aqui na Terra.../Mas não nos importamos com Ele./Só pensamos em nós mesmos./A questão não é saber se Deus existe ou não.../Mas sim se nós existimos”.

E ai me pergunto: E quem inventou a guerra? A fome? A miséria? A opressão? O ódio? A maldade? O vício? A violência? A corrupção? E, acima de tudo, a hipocrisia?
Com certeza não foi Deus, mas o Homem...
Tanto o Corão, como o Torá, e a Bíblia trazem mensagens que são às vezes deturpadas ao bel prazer de pessoas, que fazem ao pé da letra sua forma de ver o mundo, além das palavras...

Observação: Imagem acima, extraída da internet, do endereço abaixo
http://br.geocities.com/mesto_fantasma/Arte/imagens/
Lagrimas_de_sangue.jpg, que extraíra de www.worth1000.com

4 Comments:

Blogger Robson Freire said...

Olá Amigo

Simplesmente fantástico a postagem amigo. Fico abismado com o permissividade do mundo com o que Israel está fazendo na faixa de Gaza.

O que me indigna é não respeitar o direitos básicos dos civis, principalmente as crianças, envolvidos nessa guerra intolerante.

Vi há pouco um pai de 9 crianças pedindo pão, água e leite para os filhos. Não permitir que a Cruz Vermelha atue , bombardear o posto de atendimento da ONU e soldados negarem ajuda a crianças famintas ao lado de suas mães mortas é simplesmente o apocalipse visto ao vivo.

Sei que você, assim como eu gosta de ilustrar o que acontece usando vídeos, musicas e imagens por isso vou sugerir a você que vá no In Infinitum e veja os dois clipes do Pearl Jam que eu postei lá assim que vi as noticias sobre a guerra.

São fantásticos, uma mistura de poesia pura e brutal, visceral, além de ser um rock de primeira. Você vai gostar.

Abraços do amigo

10:12  
Blogger José Antonio Klaes Roig said...

Oi, Robson.
Incrível como a intolerância e a prepotência leva ao genocídio. A humanidade já viu isso antes, mas se cala diante do poder de escrever a História de quem tem o poder econômico, midiático e bélico. Não sei se foi Oppenheimer ou Einstein quem disse que se os Aliados tivessem perdido a Guerra e em especial os EUA, por conta das 2 bombas atômicas no Japão, é que seriam também os criminosos de guerra. O que Bush (testa de ferro dos mesmos gigantes que dominam tudo) fez no Afeganistão e na Iraque não deixa por menos... Mas aprenderam com o Vietnã a não deixar a imprensa estar no front. Devem ter coisas muito mais calamitosoas e escrabrosas, vide prisão de Abu Ghraib, que não vieram ainda à tona.
Pior não é isso, é a hipocrisia de fazerem o mesmo dos supostos terroristas, de forma mais violenta até, por terem poderio superior...
Impérios e governos decaídos tentam fazer da guerra sua tábua de salvação! Infelizmente tudo é politicagem, usando as rivalidades como estopim pra seus interesses disfarçados.
Se existisse justiça na Terra, só os super-heróis do gibi seriam dignos de admiração, ninguém mais.
Vou ver os clipes do Pearl Jam. m deles acho que conheço e é fantástico e assustadoramente real e atual.
Ontem entrei rapidão, só pra cosultar emails e voltar a dissertar, mas acabei surtando com essas notícias e imagens.
Valei ela dica.
Um grande abraço, Robson.

10:50  
Blogger Tati Martins said...

Oi, Roig!
Faço eco ao que você escreveu. Hoje, às 21h30, vai passar na GloboNews uma entrevista com o poeta Ferreira Gullar. Ele, que sempre teve e continua tendo posições bem definidas e críticas, em relação a questões sócio-políticas, vai falar o que pensa sobre essa guerra absurda.
Beijinhos

20:41  
Blogger José Antonio Klaes Roig said...

Oi, Tati. Pena que só li tua mensgame hj, e perdi a entrevista com o Ferreira Gullar. Quem sabe repita. Brigadão pela visita. Um abração!

14:34  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home