quinta-feira, março 01, 2007

A Televisão como vitrine


Abaixo, material extraído do curso de mídias integradas à educação, promovido pelo E-proinfo, através do CEAD/UnB, do qual sou cursista a distância. Coincidentemente, tinha escaneado de um jornal a foto acima, para utilização futura em algum texto sobre "A televisão como aliada da educação", meu tema na especialização em tecnologia educacional.
O texto abaixo propõe uma profunda reflexão sobre a re-criação da realidade pelos MCM - meios de comunicação de massa. Um bom argumento para o professor debater em sala de aula, contextualizando a programação televisiva se contraposta ao mundo real, além da tela tremeluzente da TV.

A TELEVISÃO COMO VITRINE

"A televisão já nasceu comercial. Inicialmente, as primeiras transmissões tratavam de vender aparelhos de TV. Depois, a publicidade de toda sorte de produtos tomou conta da programação que servia como pretexto para os próprios comerciais. Sempre foi a publicidade o sustentáculo da televisão comercial. Muito orientado ao consumo, o conteúdo da programação televisiva trata geralmente de veicular visões estereotipadas da realidade, numa linguagem acessível. Geralmente pouco se pondera sobre os efeitos psicológicos da publicidade ostensiva presente na programação da televisão e também sobre as implicações cognitivas e afetivas da superestimulação sensorial provocada pelas imagens. Assiste-se a ela indiscriminadamente, mais acreditando-se nas mensagens veiculadas do que duvidando delas.
Quem assiste à televisão, dada a rapidez da troca das imagens, pouco percebe o trabalho de edição que há por trás da produção das mensagens veiculadas. Há, aqui, o processo de re-criação da realidade, segundo a lógica das respectivas interpretações. Entretanto, as imagens passam por fatos objetivos, aos quais não caberia contestar. A simulação, portanto, toma ares de verdade absoluta.
A TV é comumente identificada como reforçadora do status quo, que, por sua vez, veicula a ideologia da classe dominante. O receptor é considerado passivo, impotente diante da força desta imposição ideológica. A TV, vista como o próprio espaço da cultura de massa, obedece à racionalidade técnica. E essa cultura de massa não se liga a um único estrato da estrutura social. Ela é fruto da sociedade industrial. Impregnado-a como um todo.
Há necessidade portanto, de promover debates e reflexões sobre a importância dos meios de comunicação na vida do cidadão. Isto porque a televisão deve ser considerada como espaço democrático, a serviço de uma pauta cidadã."


0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home